sexta-feira, 24 de abril de 2009

we'll always have Paris

Sabe, eu gostaria imensamente que as pessoas me julgassem um pouco menos. Eu aviso a elas q sou como sou, q faço o q faço. E q “penso, logo mudo de ideia”.

Ele se apresentou a Loo como meu namorado. Comékié??? Q história é essa de namorado, mermão??
Fiquei puuuuta da vida. Na hora, na horinha, nem um milissegundo depois, desejei q ele virasse uma pizza. Ou uma bicicleta.

Aí vem geral falar q a culpa é minha, q fui eu q fiz o mancebo achar q era meu namorado. Por queeeeee, galeraaaaaa??? Porque eu sou gentil? Carinhosa? Atenciosa? "– Porra, mas você deu ovo de páscoa pra ele, deu presente de aniversário..." Aiaiaiaiaiai, caraleo!!! É claro q eu dei presente. Eu gosto dele. E é ele q tá comigo nesse momento. Mas isso quer dizer q ele é meu namorado??? Quem foi q disse??

Ah, minha gente, eu não sou assim, vcs não sabem não?? Não namoro por namorar, não namoro somente pq a pessoa gosta de mim. E não é à toa q namorei uma única vez nesses meus 27 aninhos de malexistência.

Pra ser namoro, tem q faltar o ar, tem q ter vontade de passar o dia todo junto e chorar de saudade depois de 20 minutos do tchau, tem q fazer o bofe ir embora seminu às três da matina em dia de puta frio pq vc quer dormir abraçada na camiseta q tem o cheiro dele... Definitivamente não é isso q acontece – o q o transforma num caso. Muito querido e estimado, é verdade. Mas só um caso. Mais um. Mais uma vez. Sempre foi assim, por que agora haveria de ser diferente?

"- Ah, mas bem q vc tava chamando ele de namorado!"
Pra vcs, cacete! Pra-vo-cês! Não pra ele. Não pra geral numa festa. Hã-hã? Eu usava o termo mas jamais achei q estivesse namorando. Sacanagem, brincadeira, piada, sarcasmo. Deu pra ver a diferença?? Ou querem q eu desenhe?

Todos sabem q eu jamais prometi nada. Jamais pensei em namorar. (em um namoro, ele iria me cobrar inúmeras coisas q eu jamais poderia dar – amor é um exemplo.) Muito menos em casar, ter catarrentinhos, passar o resto da vida e ser feliz pra sempre com ele. Pelo contrário. Sempre soube q nossos dias juntos estavam contados. E ele, com essa patifaria q racha minha cara, só fez abreviá-los.

Por virem dos meus amigos e familiares, pessoas de quem eu gosto demais da conta, todos os julgamentos e dedos apontados me incomodam – mas não me preocupam: papaidocéu protege as crianças, os bêbados e as putas. Estou protegida.

Nenhum comentário: