segunda-feira, 6 de abril de 2009

nunca saia de casa sem rímel

Sexta-feira passada combinei com a Preta de irmos a uma choperia com os amigos dela da faculdade. Ótimo, já que estava morrendo de saudades e aproveitaria pra tomar uma cervejinha.
Mas sexta tem happy hour aqui na agência tb, então lá fomos nós bebericar e jogar uma conversinha fora. Bebemos consideravelmente e já tava bem bodeada qdo a Preta liga e fala que não vai mais, bodeou também. "Maravilha, vou pra casa dar uma dormida q eu tô carecida."

Cheguei, tomei um banho e fiquei lá largada no sofá de pijama, lendo Marie Claire. Eis minha surpresa qdo Pretinha liga: "em vinte minutos tô aí!".
Ahn?? Ah, ok, vai, tô com saudade e rolê com ela sempre vale a pena. Me troquei correndo, afinal tinha só vinte minutos, coloquei uma roupa qualquer e voltei pro sofá a esperá-la. Dormi, né? Uma hora e meia depois, acordo e ligo de volta.
- Ah, mas já deu vinte minutos?
- Porra, Preta, já deu uma hora e meia, eu até já dormi!
- Tô só escovando os dentes e já saio!

Ela chegou logo depois, e meu bode já estava maior que eu mesma. Anfãn, I'm a believer.

Encontramos o pessoal na Frei Caneca e partimos rumo à Choperia Devassa, na Alameda Lorena. Nos perdemos!!! Eu e Preta, frequentadoras dos Jardins há anos, conseguimos nos perder indo da Frei Caneca para a Lorena! Que cacete!
Em mais uma série de desencontros, ao invés da Haddock, pegamos a Augusta.

A Rua Augusta é um universo à parte, né? Lotaaaada de gente caminhando à pé e muito riso. Muito. Foi quando paramos num farol e começamos a dissertar sobre isso.
- A Augusta é bem legal, né? Gente de todo tipo, numa boa, se divertindo na rua...
- É mesmo. Sempre gostei muito daqui. (Olhando em volta pra constatar a diferença de tipos.)
- A gente precisava marcar um dia...
- Preta!! (e um apertão no braço dela) O Ex!

Ele tomou o mesmo susto que eu. Veio até o carro, deu um beijo em cada uma e, qdo íamos falar qq coisa, o farol abriu. Partimos. Eu, branca feito uma parede e sem conseguir proferir palavra qualquer; ela, apavorada e falando sem parar.

Quase um ano sem vê-lo e vou encontrá-lo assim, no meio da rua? Caraleo, eu não queria ir. Mas fui. E só passamos por lá porque nos perdemos num caminho que fazemos sempre. Alguém aí falou em destino?

Pois é, o que tem que acontecer, acontece. Mas, porra, tem que ser bem no dia em que eu não passei maquiagem???????

2 comentários:

Elka Waideman disse...

sempre é!
sempre é naquele dia que vc colocou a calcinha velha. esqueceu o lápis. saiu de chinelo. ou não se deixou gastar vinte minutos a mais pra domar os cachos e deixá-los soltos.
sempre nesses dias...

adorei!

Leila disse...

Olha, essa faz parte do rol das coisas que me intrigam. Outra é como o busão sempre chega ASSIM q vc acendeu um cigarro...
Hahahahaha!

Beeeeeeijo, querida!