terça-feira, 31 de março de 2009

O começo de tudo

Há nove meses, terminei um namoro de cinco anos. O término foi difícil, sofri muito com a forma como tudo aconteceu.

Belo dia, fomos ao aniversário do meu primo, uma festa junina na casa dele. Papo vai, papo vem, vinho quente, cerveja e muita risada. De repente:
- Vamos embora.
- Não, amor, vamos ficar um pouco mais, tá tão legal!
- Não, vamos embora.
E fomos. Ao chegarmos na porta da minha casa, sequer um beijo eu ganhei.
- Não vai me beijar?
- Não.
- Ok, nos falamos amanhã, então?
- Você é quem sabe.

Uma semana ininterrupta de ligações sem resposta. Até que ele resolveu.
- O que você quer?
- Falar com você, ué, afinal é meu namorado.
- Mas eu não quero falar com você.
- Nem vai me falar pq raios é que vc tá assim puto?
- Não quero falar com você.
- Ok, te respeito. Você não quer falar comigo, então não te procuro mais. Quando VOCÊ quiser conversar, VOCÊ me liga, ok?, pq eu não vou ficar aqui sendo humilhada por alguém que não quer ao menos travar um diálogo.
- Ok.
Mantive minha palavra; respeitei o desejo dele.

Um mês depois, chega um email dele.
- Vamos terminar assim mesmo, então?

Discussão master, ele de um lado falando que eu nem quis saber o motivo de ele estar tão bravo e eu do outro dizendo que tinha deixado bem claro que não o procuraria (ahááá, ficou putinho por eu não ter corrido atrás, né?).

372 mensagens depois, finalmente me abri e disse que não aguentava mais aquela situação, que gostava dele e que não queria terminar, muito menos desse jeito.
- Ai, eu também não, gosto tanto de você! Acho que o que a gente devia fazer era ir pra um motel e trepar até esfolar tudo, a gente merece! (aqui foi que percebi que o motivo inicial de insatisfação era puro engodo, puro cu-doce. ele disse qual era, mas não vem ao caso, tamanha bobagem)
- Aiinnn, vamo, vamo! E logo, pq tô morrendo de saudade!
- Só me diz uma coisa antes: você ficou com alguém nesse tempo que a gente ficou separado? (repare bem na escolha das palavras)
- Porra, fiquei, né?, você sumiu por UM FUCKING MÊS! Eu disse pra você me procurar quando quisesse falar comigo. Como isso não aconteceu, presumi que não estivesse mais namorando...
- Então nada feito. Você me traiu. Conseguiu acabar com tudo de bom que passamos nesses cinco anos.
- Mas você não me procuroooouuuu! Deixou eu pensar o que quisesse, porra!
- Você me traiu! No fundo eu sabia que minhas desconfianças tinham fundamento. Sabia que não podia confiar em você! (cinco anos, hem...)
- (¬¬) Não faz isso, amor, não seja orgulhoso a esse ponto.
- Orgulhoso?? Vai tomar no seu cu! (sim, sim)
- Ok, é assim que você quer que seja? É assim que vai ser. As minhas coisas você pode mandar entregar no endereço tal e o meu dinheiro (ele me devia duas mil e quinhentas realezaaaasss!) você deposita na conta tal.
- Não tem nada seu comigo.
- Tem sim, diversas roupas, artigos de higiene, um óculos escuros e vários livros. Pode fazer o que quiser com as roupas e as outras coisinhas, mas dos livros eu faço questão.
- E é bom saber que tem coisas suas na minha casa, assim jogo tudo num latão e toco fogo.


Fim de conversa. Tudo tudo tudinho via email. Nunca mais nos vimos. Nem ao telefone nos falamos.

2 comentários:

honey disse...

Gostei de como compõe os diálogos e suas observações à frente, entre parênteses, quando é o caso!

Criola disse...

Guria, que horror!
Ó que já peguei babacas, já sofri horrores, mas um como esse, nunca tinha visto.
Pessoa completamente descompensada!!!

(pois é... to aqui lendo seus posts antigos porque to com preguiça de trabalhar.)